• Home
  • A escola
  • Níveis
  • Estatuto
  • Notícias
  • Fotos
  • Contato
  • Nos 10 anos do Acordo Ortográfico, relembre as principais mudanças

       Há uma década, no primeiro dia do ano de 2009, o Brasil começou a colocar em prática o Novo Acordo Ortográfico. Ele foi aprovado muito antes disso, em 1990, quando os nove países que possuem a língua portuguesa como idioma oficial assinaram, em Lisboa, as alterações.

        A medida foi proposta para padronizar a grafia das palavras do português, respeitando as diferenças linguísticas (principalmente fonéticas) e de sotaques das diversas regiões. Questões burocráticas atrasaram a execução, que estava prevista inicialmente para 1994. Em 2009, o Brasil se tornou o primeiro país lusófono a iniciar o uso.

        O prazo para adequação à Nova Ortografia era 2013, mas foi estendido até janeiro de 2016, quando o uso das regras passou a ser obrigatório. Relembre as mudanças mais significativas para se adequar ao acordo que completou 10 anos.

        

    Acento circunflexo

    Não se usa mais esse assento na terminação -eem, de verbos na 3ª pessoa do plural, e em palavras com o hiato -oo.

    Exemplos: deem, veem, enjoo, perdoo, voo.

    Acento diferencial

    Palavras homógrafas, isto é, que possuem a mesma grafia, mas pronúncia e significados diferentes, deixaram de ter o acento diferencial.

    Exemplo: o verbo para e a preposição para não são mais diferenciados pelo acento agudo.

    Alfabeto

    Com o Novo Acordo, as letras com influência da língua inglesa KW Y foram inseridas oficialmente ao alfabeto português. Mesmo sendo usadas na comunicação, ainda não eram reconhecidas oficialmente no alfabeto.

    Hífen

    O hífen deixou de ser usado em palavras cujo prefixo termina em vogal diferente daquela que introduz o segundo termo.

    Exemplos: autoajuda, extraescolar, infraestrutura, socioeconômico.

    Não se emprega o hífen em palavras cujo prefixo termina em vogal e o segundo termo começa em R ou S. Nesses casos, a consoante é duplicada.

    Exemplos: antissocial, autorretrato, contrarregra, neorrealismo.

    Há uma exceção nesses casos: quando os prefixos terminam em R (hiper-, inter- e super-), o hífen é mantido.

    Exemplo: super-resistente.

    Também não se usa o hífen em palavras que o prefixo termina em -e a segunda palavra se inicia em -e.

    Exemplos: reedição, reeducação, reescrita.

    Palavras com o prefixo -co não possuem hífen.

    Exemplos: coabitante, coautor.

    O hífen é empregado para separar palavras cujo prefixo termina com a mesma letra que se inicia o segundo termo.

    Exemplos: anti-inflamatório, micro-ondas.

    Palavras que o segundo termo começa com H são separadas por hífen.

    Exemplos: super-herói, super-homem.

    Paroxítonas com ditongos abertos -ei -oi

    Não ocorre mais acento.

    Exemplos: alcateia, europeia, estreia, ideia.

    Oxítonas com ditongo aberto -eu-ei e -oi

    Permanecem acentuados.

    Exemplos: chapéu, papéis, herói.

    Paroxítonas com -u e -tônicos depois de ditongo

    Não são mais acentuadas.

    Exemplos: feiura, bocaiuva.

    Oxítonas terminadas em -i ou -u seguidas ou não de -s

    Continuam com o acento.

    Exemplos: Piauí, Tuiuiú.

    Trema

    O trema deixou de ser usado nas palavras da língua portuguesa, mas não houve alteração na pronúncia de palavras como "aguentar" "consequência". O uso da trema apenas acontece em palavras estrangeiras e seus derivados.

    Autor do Texto: Mathias Sallit, Jornalista

    Fonte